CREAÇÃO E FUNDAÇÃO DA CIDADE E MUNICÍPIO DE QUELUZ ESTADO DE MINAS GERAIS
(Emblema: uma prensa, um livro, papel e outros objetos)

Fonte: Queluz de Minas/Typ. E Pap Monteiro & Comp. Rua Castilho Lisbôa, Nº 25/1907/

Autor: Américo de Souza Lima.

 

“No principio do século XVIII passado, um certo número de aventureiros, que mineravam na serra de Ouro Branco, juntaram-se com os outros índios da aldêa Carijós e erigiram uma igreja à Nossa Senhora da Conceição, a qual foi creada parochia em 1709; edifficaram-se, depois, mais duas invocações de Santo Antonio, no alto do morro d´este mesmo nome, e de Nossa Senhora do Carmo.

Em 19 de setembro de 1790, o Governador Luiz Antonio Furtado de Mendonça, Visconde de Barbacena, atendendo à supplica que lhe fora dirigida pelos habitantes da povoação que então se denominava - Campo Alegre dos Carijós-, cujo solo pertenceu a Jeronymo Pimentel Salgado, a elevou a cathegoria de Villa, sob a denominação de “Real Villa de Queluz”, em homenagem ao “Palácio Real de Queluz” que pertenceu, na sua origem, à D.Chrystovão de Moura e mais tarde a D. Pedro II e D. Maria I, Reis de Portugal; fficando assim desmembrado do termo da de São José a que pertencia o referido Arraial.

Foi creada Freguezia por Ordem Regia de 1752 e elevada à Cidade em 2 de janeiro de 1866 pela Lei Provincial nº 1276. É sede da Comarca de seu nome d´esde 15 de julho de 1872, creada pela Lei Providencial nº 1867.

Tem, atualmente, um periódico, publicado aos domingos, sob o título de “Gazeta de Queluz” e direcção do Snr. Antonio Raymundo Alvares da Costa: casa de Camara, Forum, cadeia, cinco escolas públicas de instrucção primaria, duas agências do correio, um collegio regido pelas Irmãs da Congregação da Divina Providencia; hospital em construcção; estação telegraphica, seis pharmacias, seis médicos e seis advogados; três fabricas de cerveja, seis de violas, violões, bandolins etc. e uma de sabão: importantes casas commerciaes de fazendas, armarinho, ferragens, seccos e molhados; cinco padarias, sendo a “Padaria Central”, de propriedade do Snr. Francisco Ananias de Sant´Anna, a primeira que se fundou nesta cidade, em 1882, cinco alfaiatarias, seis officinas de sapateiros e três de funileiros; tres hotéis e diversas casas de pensão; quatro açougues onde são abatidas, diariamente, seis rezes; três Clubs: o “Castilho Lisboa”, “Bohemios”, e o de “Italia”, destinados, aquelles a diversões e este a benificência; duas Sociedades: A “Dramática dos Carijós” que contruio um theatro sob a denominação de “Santa Cecilia” e a “Protecção da Instrucção” cujo ffim é prover de vestuários e utensílios collegiaes aos alumnos pobres, e duas bandas de musica: “Santa Cecília” e “Centro Operario”.

A população do districto da cidade, segundo dados estatísticos, é de 9.000 almas. A cidade apresenta agradável aspecto, com excellente clima e acaba de ser abundantemente abastecida de superior água potável devido aos esforços do actual Presidente da Camara, Dr. José Caetano da Silva Campolina e a perícia do hábil engenheiro Dr. Joaquim de Almeida Lustosa, sob cuja direcção foram feitos os serviços de abastecimento que, no momento em que são escriptas estas linhas (2 horas do dia 24 de março de 1907), acabão de ser inaugurados.

As suas principais ruas são calçadas e iluminadas à gaz acetyleno, havendo contracto já firmado pela Camara e o Snr. Leonardo A. Gutierrez, para a installação da luz electrica.

Acha-se a 980 metros acima do nível do mar e está ligada a Capital Federal e a de Minas pela Estrada de Ferro Central de Brazil, cuja estação “Lafayette” deu nome ao aprazível e populoso bairro onde se acha edificada nas margens do rio “Bananeiras”; trazendo grande incremento para a cidade que se estendeo até ahi, fficando dividida em dois bairros, os quais pela sua extensão já podem ser divididos em dois districtos para terem mais fácil administração.

No districto da cidade há ricas jazidas de marganez que estão sendo exploradas pelas seguintes Companhias: “Morro da Mina”, “Gonçalves Ramos & Comp.”, “Societé Anonyme des Mines de Manganese de Ouro Preto” e “A Thum” que também faz parte da exploração de uma mina aurífera na povoação da “Passagem”.

Há tambem diversas ollarias, sobressahindo entre estas a “Olaria Esperança”, de propriedade dos Srs. Antonio Dias de Souza e José de Souza Salgado, por ser a única onde se fabricam - tijolos refractarios - empregados em altos fornos de fundição, eguaes aos fabricados na Europa.

Estão comprehendidas dentro das divisas do districto as povoações: Buarque de Macedo (estação da E.F.C.B), S. Gonçalo, Bocaina, Passagem, Rancho Novo, Tiririca, Amaro Ribeiro, Violeiros, Muinhos e Fazenda do Sande, Miguel Burnier (estação da E.F.C.B.) que, sob a administração da municipalidade de Ouro Preto, pertencem, por Lei, ao districto desta cidade.

Há muitos outros pequenos povoados.

A Igreja Matriz, onde se achavam homisiadas as forças Legalistas durante a revolução de 1842, foi alvo das balas inimigas por servir de forte aos mesmos. Estes, respondendo ao fogo que lhes era feito, fizeram desapparecer das ffileiras das revoltados a figura, sympathica do ffilho do General Galvão, Fortunato Nunes Galvão, o qual foi mortalmente ferido no momento, em que de um sobrado próximo a Matriz, fazia fogo para esta. Morreo ao lado de seu pae, sob cujas ordens servia com as forças pelo mesmo comandadas e que se achavam então entrincheiradas no referido sobrado.

O Município compõe-se de onze districtos, inclusive o da cidade, e é representado por uma Camara Municipal composta, actualmente dos seguintes cidadãos: Dr. José Caetano da Silva Campolina, Presidente; Capm. José Ferreira de Egypto, vice-presidente; Capm. Luiz Gonzaga de Assis, secretario; Cel. João Antonio Nogueira Coelho, Major Luiz Gonzaga de Mello, Capm. Balduino Augusto de Miranda, Capm. José da Costa Carvalho, João Baptista Henriques, Antonio Moreira da Costa e Altonio Alves dos Reis. Faltam dous vereadores que não tomaram posse. Cada districto é representado por um vereador.”